Madeirada News

MENU
Logo
Sábado, 31 de julho de 2021
Publicidade
Publicidade

Trânsito

Secretário diz que Lázaro Barbosa tem ‘ritual’ e ia matar família feita refém em Goiás

Há sete dias, mais de 200 policiais buscam por suspeito de matar família de Ceilândia. Áudio de parente mostra que casal e adolescente de Cocalzinho d

874
Publicidade
Publicidade
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

O secretário de segurança pública, Rodney Miranda, informou na noite desta terça-feira (15) que Lázaro Barbosa, suspeito de matar uma família de Ceilândia, também pretendia matar um casal e a filha de 16 anos ao fazê-los reféns nesta tarde, na região de Cocalzinho de Goiás. O secretário disse ainda que criminoso tem um ritual para atacar as vítimas.

 

“Ele leva para beira do rio, manda tirar as roupas e uns ele acaba matando. Acredito que esse seria o destino dessa família hoje”, disse o secretário durante entrevista coletiva.

 

família foi resgatada pela corporação por volta das 15h, após a adolescente conseguir enviar uma mensagem para um policial pedindo socorro. Segundo o secretário, quando a equipe chegou ao local, Lázaro já tinha levado a família para beira de um córrego da região e houve uma troca de tiros.

 

"Houve um confronto e ele teve a oportunidade de ver os policiais chegando. Quando chegaram muito perto, ele atirou. Atingiu um policial no rosto e fugiu pulando um barranco. Os policiais salvaram a vida dessa família, se eles não tivessem chegado poderia ter acontecido o pior", informou.

 

Um áudio de uma parente mostra que a família viveu momentos de pânico enquanto era feita refém e que chegou a ser coberta com folhas pelo suspeito (veja acima). O delegado Raphael Barboza informou ao G1 que a família foi resgatada sem ferimentos e que passa bem

“Ele falou que ia matar os três. Quando viu o helicóptero deitou eles no chão e os taparam com folhas. Quando a polícia chegou por terra, ele atirou contra a polícia. A polícia atirou, atirou, atirou, em tempo de pegar no meu irmão, na minha cunhada deitados no chão. Deus livrou a vida deles. Ficou só o trauma. Está todo mundo bem”. narrou.

Comentários:

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Encaminhe sua mensagem, assim que possível estaremos te respondendo ;)