Madeirada News

MENU
Logo
Quinta, 06 de agosto de 2020
Publicidade
Publicidade

Saúde

Recorde-DF tem 33 vítimas fatais por covid-19 em 24 horas

Das 33 vítimas registradas no Distrito Federal nas últimas 24 horas, uma faleceu em casa e as outras 32 estavam em unidades de saúde

359
Publicidade
Publicidade
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

O Distrito Federal iniciou o mês de junho com recorde no número de vítimas fatais em decorrência de complicações causadas pelo novo coronavírus. Nas últimas 24 horas, 33 pessoas faleceram pelo vírus, sendo quatro do estado de Goiás e 1 da Bahia. Já são, portanto, 620 óbitos por covid-19 no DF. 

As vítimas registradas nesta quarta-feira (1º), do DF,  eram moradoras de Ceilândia (6), Gama (3), Itapoã (2), Núcleo Bandeirante (1), Plano Piloto (1), Samambaia (3), Santa Maria (4), Sobradinho (1), Sobradinho II (1), Sudoeste/Octogonal (1) e Taguatinga (5). 

Segundo a Secretaria de Saúde, os óbitos são dos seguintes dias:

  • 1 óbito em 09/06/20
  • 1 óbito em 18/06/20
  • 1 óbito em 26/06/20
  • 5 óbitos em 27/06/20
  • 2 óbitos em 28/06/20
  • 6 óbitos em 29/06/20
  • 10 óbitos em 30/06/20
  • 7 óbitos em 01/07/20

Das 33 vítimas, uma faleceu em casa e as outras 32 estavam nas seguintes unidades de saúde:

  • Daher Lago Sul – 1
  • Maria Auxiliadora – 2
  • HOME – 3
  • HRAN – 6
  • HRSM – 9
  • HRS – 1
  • HRT – 1
  • HRG – 1
  • HRGu – 1
  • HRL – 1
  • Santa Lúcia -1
  • Santa Marta – 1
  • Hospital de Base – 3
  • UPA – Núcleo Bandeirante – 1

Casos no DF

Nesta quarta-feira (1º), o Distrito Federal registrou, até 12h, 49.290 casos do novo coronavírus. Nas últimas 18 horas, 73 novos pacientes foram diagnosticados. O total de casos inclui pacientes recuperados e óbitos.

Uma das vítimas fatais é um técnico de enfermagem do Hospital Regional da Asa Norte (HRAN). H. R. L, 47 anos, estava internado há duas semanas e veio a óbito na madrugada desta quarta-feira (1).

O profissional tinha comorbidade — era hipertenso. Ele estava atuando na linha de frente do combate ao coronavírus no DF. Não é possível, a princípio, afirmar que a vítima contraiu o vírus no hospital.

Comentários:

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Encaminhe sua mensagem, assim que possível estaremos te respondendo ;)