Madeirada News

MENU
Logo
Terça, 04 de agosto de 2020
Publicidade
Publicidade

Policial

Pedófilo que abusou de 60 vítimas no DF é religioso e popular nas redes

De uma lascívia brutal, o maranhense nascido no pequeno município de Tutóia tinha predileção por crianças e adolescentes entre 11 e 14 anos

1387
Publicidade
Publicidade
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Politizado, religioso e com milhares de amigos nas rede sociais. Traços de uma personalidade comum entre homens jovens, na faixa dos 30 anos. No entanto, a face oculta do pedófilo Syllas Sousa Silva (foto em destaque), 31 anos, não era exposta em seus perfis na internet.

De uma lascívia brutal, o maranhense nascido no pequeno município de Tutóia colecionou vítimas entre 11 e 14 anos. Manipulador, obrigava meninos e meninas a enviar fotos e vídeos com conteúdo pornográfico. Em algumas ocasiões, convenceu crianças e adolescentes a introduzir objetos no ânus ou a se masturbar.

Com 3.558 amigos no Facebook e 1.584 seguidores no Instagram, o pedófilo era ativo nas redes sociais até ser preso pela Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), em 20 de junho. Ao contrário dos perfis fake, onde ostentava imagens de uma adolescente chamada Ana Beatriz Melo, Syllas usava suas páginas para demonstrar fervor pela religião.

De família evangélica, o criminoso – que agora está isolado em uma cela no Complexo Penitenciário da Papuda – publicava postagens homenageando o pai, um respeitado pastor da pequena cidade.

O pedófilo também fazia questão de se posicionar politicamente. Seus perfis reais são coalhados de publicações exaltando o golpe militar ocorrido em 1964, além de ser defensor ferrenho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Syllas chegou a se filiar, em 5 de outubro de 2011, ao antigo Partido Social Democrata Cristão (PSDC), atual Democracia Cristã (DC), na cidade de Matões (MA). Envolvido com a política local, o pedófilo também costumava marcar os prefeitos que governaram seu município em diversas publicações.

Modus operandi

Vítimas do pedófilo chegaram a cogitar cometer suicídio com medo do vazamento das fotos e vídeos de nudez. A investigação teve início após os pais de uma adolescente de 13 anos registrarem ocorrência. Para ganhar a confiança dos jovens, Syllas se passava por uma adolescente. Ele usava um perfil falso no Instagram.

Quando ficava mais íntimo, o pedófilo, então, fornecia um telefone para conversa via aplicativo de mensagens.

Comentários:

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Encaminhe sua mensagem, assim que possível estaremos te respondendo ;)