Madeirada News

NOVO GAMA- CAOS NA SAÚDE, CONSELHO DOMINADO E TENTATIVA DE CALAR A IMPRENSA!

CLIMA TENSO, DISCUSSÕES E ÂNIMOS ACIRRADOS TOMARAM CONTA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE SAÚDE


O atendimento médico e o fornecimento de remédios na rede pública de Novo Gama, pesa no bolso de quem não deveria gastar sequer um centavo por isso: os pacientes. Principais afetados pelo abandono da saúde municipal,  precisam usar as próprias finanças para custear remédios, exames e materiais para curativo, pois esses insumos estão em falta no município e vários pacientes estão tendo que comprar do próprio bolso.

Os gestores municipais que assumiram a partir do dia 1ª de janeiro de 2017 conseguiram piorar a situação dos serviços de saúde pública em Novo Gama.

Na verdade, os moradores de Novo Gama vivem uma situação de horror, haja vista que faltam médicos, faltam medicamentos, faltam aparelhos e equipamentos. Não adianta buscar unidades de saúde, visto que o atendimento é recusado ou na maioria esmagadora das vezes os profissionais não podem agir por falta de recursos hospitalares.

Em contra partida o conselho municipal de saúde, órgão que deveria fiscalizar a secretária de saúde e lutar pela melhoria do serviço público no município vive uma divisão política e um jogo de interesse pessoal, onde o grupo conduzido peça secretaria de Saúde Wisliane Maximiliano faz vista grossa aos desmandos praticados pela secretária e tenta, ainda que na força garantir a interferência da secretária dentro do conselho.

Com a interferência e o controle da secretaria de saúde no órgão que deveria fiscalizar suas ações, com poucos conselheiros que querem a melhoria do serviço público, porem abafados e vencidos por aqueles que lutam em benefício próprio, o resultado que se vê são postos de saúde abandonados, falta de profissionais e medicamentos deixando pacientes a beira da morte e uma saúde pública em colapso que caminha para um necrotério.

Somado a todos esses caos, vemos a força da secretária e seu poder de controlar alguns conselheiros municipais e estaduais.

Na data de hoje(08) o jornalista Valter Hamilton, sofreu dentro do conselho de saúde uma tentativa de cerceamento do seu direito legal de exercer a sua profissão, onde com gritos e empurrões um conselheiro tentou impedir o jornalista de filmar a reunião. (Vide vídeo a baixo) com o unico proposito de impedir a população Novogamense de saber o que acontece nos bastidos do conselho de saúde.

 Fica aqui o nosso repudio a toda e qualquer tentativa de cerceamento ao direito à liberdade de imprensa, visto que a liberdade de imprensa é importante para toda a sociedade, porque veículos de comunicação devem ser capazes de denunciar e dar informações sobre escândalos de empresas estatais em seus jornais, sem que o governo os censure; da mesma forma, devem ter soberania investigativa e trazer à tona questões invisíveis.

Cabe à imprensa, livre, ser a voz dos “sem voz”, de denunciar irregularidades e injustiças. De buscar aquilo que nem sempre está às claras e, para isso, precisará investigar. Sem liberdade em contrariar interesses, seja de pessoas importantes, de empresas poderosas ou de governantes, o jornalista não conseguirá exercer essa parte da sua função profissional.

 A liberdade de imprensa diz respeito, também, à segurança do jornalista em exercer a sua profissão. O jornalista tem o direito de sair às ruas sem medo de ameaças de sanções e até pior, de morte aparado na lei 5250/67 e assegurado no art. 220 da constituição.

Nenhuma democracia sobrevive sem uma imprensa livre e nenhuma ditadura sobrevive com uma imprensa livre.” – Jorge Pedro Sousa

VALTER HAMILTON (DRT-11689/DF)

 

 


  • Compartilhe
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no WhatsApp

NOVO GAMA- CAOS NA SAÚDE, CONSELHO DOMINADO E TENTATIVA DE CALAR A IMPRENSA!

O atendimento médico e o fornecimento de remédios na rede pública de Novo Gama, pesa no bolso de quem não deveria gastar sequer um centavo por isso: os pacientes. Principais afetados pelo abandono da saúde municipal,  precisam usar as próprias finanças para custear remédios, exames e materiais para curativo, pois esses insumos estão em falta no município e vários pacientes estão tendo que comprar do próprio bolso.

Os gestores municipais que assumiram a partir do dia 1ª de janeiro de 2017 conseguiram piorar a situação dos serviços de saúde pública em Novo Gama.

Na verdade, os moradores de Novo Gama vivem uma situação de horror, haja vista que faltam médicos, faltam medicamentos, faltam aparelhos e equipamentos. Não adianta buscar unidades de saúde, visto que o atendimento é recusado ou na maioria esmagadora das vezes os profissionais não podem agir por falta de recursos hospitalares.

Em contra partida o conselho municipal de saúde, órgão que deveria fiscalizar a secretária de saúde e lutar pela melhoria do serviço público no município vive uma divisão política e um jogo de interesse pessoal, onde o grupo conduzido peça secretaria de Saúde Wisliane Maximiliano faz vista grossa aos desmandos praticados pela secretária e tenta, ainda que na força garantir a interferência da secretária dentro do conselho.

Com a interferência e o controle da secretaria de saúde no órgão que deveria fiscalizar suas ações, com poucos conselheiros que querem a melhoria do serviço público, porem abafados e vencidos por aqueles que lutam em benefício próprio, o resultado que se vê são postos de saúde abandonados, falta de profissionais e medicamentos deixando pacientes a beira da morte e uma saúde pública em colapso que caminha para um necrotério.

Somado a todos esses caos, vemos a força da secretária e seu poder de controlar alguns conselheiros municipais e estaduais.

Na data de hoje(08) o jornalista Valter Hamilton, sofreu dentro do conselho de saúde uma tentativa de cerceamento do seu direito legal de exercer a sua profissão, onde com gritos e empurrões um conselheiro tentou impedir o jornalista de filmar a reunião. (Vide vídeo a baixo) com o unico proposito de impedir a população Novogamense de saber o que acontece nos bastidos do conselho de saúde.

 Fica aqui o nosso repudio a toda e qualquer tentativa de cerceamento ao direito à liberdade de imprensa, visto que a liberdade de imprensa é importante para toda a sociedade, porque veículos de comunicação devem ser capazes de denunciar e dar informações sobre escândalos de empresas estatais em seus jornais, sem que o governo os censure; da mesma forma, devem ter soberania investigativa e trazer à tona questões invisíveis.

Cabe à imprensa, livre, ser a voz dos “sem voz”, de denunciar irregularidades e injustiças. De buscar aquilo que nem sempre está às claras e, para isso, precisará investigar. Sem liberdade em contrariar interesses, seja de pessoas importantes, de empresas poderosas ou de governantes, o jornalista não conseguirá exercer essa parte da sua função profissional.

 A liberdade de imprensa diz respeito, também, à segurança do jornalista em exercer a sua profissão. O jornalista tem o direito de sair às ruas sem medo de ameaças de sanções e até pior, de morte aparado na lei 5250/67 e assegurado no art. 220 da constituição.

Nenhuma democracia sobrevive sem uma imprensa livre e nenhuma ditadura sobrevive com uma imprensa livre.” – Jorge Pedro Sousa

VALTER HAMILTON (DRT-11689/DF)

 

 

Publicidade