Madeirada News

Com prefeitura endividada, Sônia Chaves é considerada pelo TCM a pior prefeita de Goiás

Segundo fontes, as contas dos exercícios 2017 e 2018 , devem ser rejeitadas pelo TCM e ela pode ser salva pelos vereadores
Com prefeitura endividada, Sônia Chaves é considerada pelo TCM a pior prefeita de Goiás
5150

Com prefeitura endividada, Sônia Chaves é considerada pelo TCM a pior prefeita de Goiás

Blog Alan Ribeiro com informações do TCM

Novo Gama , Luziânia e Caldas Novas são as três cidades goianas mais mal administradas de Goiás no quesito financeiro. É o que aponta o ranking anual do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) divulgado publicamente pela instituição.

Avaliando a qualidade das finanças municipais, o órgão compara números e balancetes e elabora lista com os municípios em situação de emergência. Os três, Caldas Novas, Luziânia e Novo Gama, respectivamente, são os que acumularam maiores dívidas, em comparação com suas receitas.

Em Novo Gama, administrada pela prefeita Sônia Chaves (PSDB), o município em último lugar da lista acumula dívida anual superior a 25 milhões de reais (25.314.653,07), no abatimento entre receitas e despesas. No ano de 2018, o município arrecadou 135 milhões de reais, mas empenhou mais 160 milhões em despesas em contratos e folha de pagamento.

Em Caldas Novas, maior cidade turística do Centro-Oeste, do pepista Evandro Magal, o alto valor de arrecadação, mais de 22 milhões mensais, não foram suficientes para sanar os empenhos da prefeitura. Enquanto o município das águas quentes arrecadou 264 milhões de reais, fechou 2018 com despesas empenhadas na ordem de 281 milhões, mais de 17 milhões que se avolumaram em dívidas.

O rombo constante em Caldas Novas já é refletido na saúde, que está precária e nas ruas, com alto número de buracos. Outro problema do município é a incapacidade de receber recursos federais. Sem as certidões negativas provando a regularidade fiscal, Caldas Novas não consegue receber emendas dos deputados federais e também fica em dificuldades para gerir programas dos governos do Estado e Federal.

A situação é idêntica em Luziânia. Lá o prefeito Cristóvão Tormin (PSD) também tem uma alta arrecadação municipal (mais de 376 milhões no ano de 2018), mas programa gastos maiores que isso. O valor empenhado é de 389 milhões, acumulando um saldo negativo de 13 milhões e 637 mil reais. O levantamento é produzido pelo Tribunal de Contas dos Municípios e avalia todas as cidades as 246 cidades goianas. No total, 30 fecharam o ano fiscal no vermelho.

 

OUVIR NOTÍCIA

Novo Gama , Luziânia e Caldas Novas são as três cidades goianas mais mal administradas de Goiás no quesito financeiro. É o que aponta o ranking anual do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) divulgado publicamente pela instituição.

Avaliando a qualidade das finanças municipais, o órgão compara números e balancetes e elabora lista com os municípios em situação de emergência. Os três, Caldas Novas, Luziânia e Novo Gama, respectivamente, são os que acumularam maiores dívidas, em comparação com suas receitas.

Em Novo Gama, administrada pela prefeita Sônia Chaves (PSDB), o município em último lugar da lista acumula dívida anual superior a 25 milhões de reais (25.314.653,07), no abatimento entre receitas e despesas. No ano de 2018, o município arrecadou 135 milhões de reais, mas empenhou mais 160 milhões em despesas em contratos e folha de pagamento.

Em Caldas Novas, maior cidade turística do Centro-Oeste, do pepista Evandro Magal, o alto valor de arrecadação, mais de 22 milhões mensais, não foram suficientes para sanar os empenhos da prefeitura. Enquanto o município das águas quentes arrecadou 264 milhões de reais, fechou 2018 com despesas empenhadas na ordem de 281 milhões, mais de 17 milhões que se avolumaram em dívidas.

O rombo constante em Caldas Novas já é refletido na saúde, que está precária e nas ruas, com alto número de buracos. Outro problema do município é a incapacidade de receber recursos federais. Sem as certidões negativas provando a regularidade fiscal, Caldas Novas não consegue receber emendas dos deputados federais e também fica em dificuldades para gerir programas dos governos do Estado e Federal.

A situação é idêntica em Luziânia. Lá o prefeito Cristóvão Tormin (PSD) também tem uma alta arrecadação municipal (mais de 376 milhões no ano de 2018), mas programa gastos maiores que isso. O valor empenhado é de 389 milhões, acumulando um saldo negativo de 13 milhões e 637 mil reais. O levantamento é produzido pelo Tribunal de Contas dos Municípios e avalia todas as cidades as 246 cidades goianas. No total, 30 fecharam o ano fiscal no vermelho.

 

Fonte

Blog Alan Ribeiro com informações do TCM

Comentários

Quer mais artigos e as newsletters editoriais no seu e-mail?

Receba as notícias do dia e os alertas de última hora.
[CARREGANDO...]

Confira mais Notícias

Trânsito
Moradores do Entorno enfrentam verdadeiro calvário no transporte público
Moradores do Entorno enfrentam verdadeiro calvário no transporte público
VISUALIZAR
Policial
Filho é preso junto com mãe acusado de participar da morte do pai em Luziânia
Filho é preso junto com mãe acusado de participar da morte do pai em Luziânia
VISUALIZAR
Policial
Bandido morre em confronto com o GPT de Luziânia
Bandido morre em confronto com o GPT de Luziânia
VISUALIZAR
Política
Diego Sorgato, um Tucano vestido de Democrata !
Diego Sorgato, um Tucano vestido de Democrata !
VISUALIZAR
Política
Bolsonaro assina MP que concede 13º pagamento do Bolsa Família
Bolsonaro assina MP que concede 13º pagamento do Bolsa Família
VISUALIZAR
Política
Prefeito de Luziânia é acusado de assédio sexual por sete mulheres
Prefeito de Luziânia é acusado de assédio sexual por sete mulheres
VISUALIZAR
Fale com a redação!

Encaminhe sua mensagem, assim que possível estaremos te respondendo ;)